Zahar

Blog da editora

6 mulheres extraordinárias para celebrar no Dia Internacional da Mulher

08 de Março de 2017

1.       Chiquinha Gonzaga

Compositora e maestrina de sucesso numa época em que mulher não tinha profissão, Francisca Edwiges Neves Gonzaga abriu caminhos e ajudou a definir os rumos da música brasileira. Grande personagem feminina da história do Brasil, Chiquinha Gonzaga desafiou costumes e tornou-se a primeira pessoa a compor uma marchinha de carnaval ("Ó Abre Alas", 1899). Em sua biografia, Chiquinha Gonzaga, uma história de vida, a biógrafa Edinha Diniz define Chiquinha como alguém que “não estava a serviço da pátria, nem da humanidade, nem de um marido. Estava a serviço de si mesma, de suas vontades e desejos. Só que isto não era permitido a uma mulher”. Uma inspiração de força, resiliência e determinação.

>> A biografia da artista escrita por Edinha Diniz está disponível em e-book:

       

   

2.       Maria Antonieta

Uma das rainhas mais revisitadas da história, Maria Antonieta de Habsburgo-Lorena era arquiduquesa de uma dinastia poderosa, e foi dada em casamento aos 14 anos para emendar relações diplomáticas entre dois inimigos históricos. Retratada muitas vezes como uma mulher frívola e sem maiores preocupações, Maria Antonieta tornou-se um mito e ícone da cultura francesa. Hoje, diversos historiadores reconhecem que Antonieta foi alvo de retratações injustas e exageradas ao longo do século. Um dos primeiros biógrafos a reconhecer essa injustiça foi Stefan Zweig na biografia Maria Antonieta: retrato de uma mulher comum. Na obra, o autor fica impressionado com a compostura e dignidade com que a rainha enfrenta o seu destino, e diz: “Na hora final, em seu último instante de vida, Maria Antonieta, o ser medíocre, atinge enfim a medida trágica e se torna tão grande quanto seu destino.”

>> A biografia de Maria Antonieta escrita por Stefan Zweig está à venda
>> Leia um trecho

 3.       Elizabeth I

Elizabeth I foi a última monarca da dinastia Tudor, e a maior governante da história da Inglaterra. Seu reinado lendário durou 45 anos, e sob o seu comando a Inglaterra se tornou a grande potência política, econômica e cultural do ocidente no século XVI. Elizabeth quebrou padrões de gênero e, ao recusar se casar, tornou-se a monarca mais poderosa de seu tempo.

>> Escrito por Lisa Hilton, Elizabeth I: uma biografia, explora o legado da rainha e apresenta novos insights sobre o papel de Elizabeth na transição do mundo medieval para o moderno


4.       Emily Brontë

Autora de O morro dos ventos uivantes, Emily Brontë publicou seus escritos usando o pseudônimo Ellis Bell. Em inglês, Ellis é um nome que pode ser usado para qualquer um dos gêneros, mas ninguém considerou que  O morro dos ventos uivantes pudesse ter sido escrito por uma mulher até a reedição do livro, após a morte de Emily, quando essa informação foi divulgada. Brilhante, Emily Brontë teve uma vida breve e, com um único romance, entrou para história como uma das maiores escritoras de todos os tempos.

>> Conheça a edição da coleção Clássicos Zahar de O morro dos ventos uivantes

 5.       Jane Austen

Jane Austen foi mais uma escritora inglesa a publicar seu trabalho anonimamente. Sua enorme produção literária é marcada pela ironia e pela incrível habilidade de crítica social a sua sociedade e seu tempo. Popular mesmo 200 anos depois de sua morte, sua obra vem inspirando adaptações no cinema, teatro e televisão. Austen criou personagens icônicas sobre a força feminina, como Elizabeth Bennett, de Orgulho e Preconceito, e Anne Elliot, de Persuasão.

>> Conheça as edições da coleção Clássicos Zahar de Persuasão

6.       Cleópatra

Uma das mulheres mais famosas que já existiram, Cleópatra governou o Egito durante 22 anos e até hoje permanece no imaginário de todos como símbolo de poder e beleza. No entanto, a última rainha da Dinastia de Ptolomeu foi uma grande estadista, tendo controlado no auge do seu poder praticamente toda a costa oriental do Mediterrâneo. Poliglota, Cleópatra também foi grande negociante e impressionava pelo seu conhecimento em filosofia, literatura e arte gregas.

>> Conheça a biografia escrita por Stacy Schiff

>> Leia um trecho

 

Categorias: Notícias

Comentários

Leila Oliveira

Foram mulheres extraordinarias. Merecem homenagem.

09 de Março de 2017

Comentar